Arquivo | março, 2011

A Liberdade da Kaze Tsukai

9 mar

Eu mal comecei a assistir os episódios finais de InuYasha (distintos do anime tradicional e apresentados sob o nome “InuYasha Kanketsu-hen”) e minhas glândulas lacrimais estão quase fazendo greve sob alegação de exploração. Como já era de se esperar, na reta final do anime, vários personagens encontram seu fim e, via de regra, os momentos finais são cercados por drama e lágrimas.

Se você ainda não assistiu estes episódios eu aconselho a não continuar a leitura, pois eu tratarei de fatos cruciais para o desenrolar da trama, e saber de antemão o que irá acontecer acabará por tirar a encantadora capa que nos prende e nos emociona a cada episódio deste anime.

Quem acompanhou o anime desde o começo conhece Kagura, a Kaze Tsukai (Feiticeira dos Ventos). Trata-se de uma das crias do odioso vilão Naraku, uma personagem antagônica que odeia seu progenitor e que anseia, mais do que qualquer coisa, a liberdade.

Tal anseio constitui-se numa contradição, pois Kagura é a encarnação do próprio vento, e o vento sopra, corre, é livre. Ainda assim, não se pode dizer o mesmo da feiticeira, que vive sob o controle do já referido vilão. Não pode nem mesmo se dar ao luxo de tentar fugir, pois seu coração encontra-se sob a posse de seu criador e, caso ele destrua-o, extingue-se sua existência.

O ódio por Naraku e o desejo pela liberdade a levam a traí-lo. Em várias ocasiões, ela agiu por conta própria e conspirou para que seu “dono” fosse derrotado e sua liberdade alcançada, sendo severamente punida. Chegou até mesmo a pedir ajuda a Sesshoumaru, um dos personagens mais fortes e cuja força é proporcional à falta de modéstia. Sendo rejeitada por ele, passou a cultivar uma relação de amor e ódio cuja correspondência só obteve no momento do adeus.

Consideravelmente forte e dispondo de técnicas e habilidades peculiares e destrutivas – como a “Ryuuja no Mai (Dança do Dragão), – criação de vários tornados – Fuujin no Mai (Dança das Lâminas de Vento) e Shikabane Mai (Dança dos Cadáveres) – com o qual é capaz de controlar os mortos – a Kaze Tsukai causou sérios problemas e dores de cabeça aos heróis principais, tornando-se tão odiosa quanto o próprio Naraku. Mas a divergência de interesses em relação a este acabou por fazê-la tomar atitudes favoráveis aos “mocinhos” e tornar-se bem vista aos olhos deles ao ponto de oferecem ajuda e proteção contra o arquiinimigo – ofertas recusadas por ela e que acabaram por resultar em sua morte.

Aqui começa o drama de fato. Novamente reitero o aviso de que você, leitor, não deve seguir adiante se ainda não assistiu o anime e tem tal interesse, sob conseqüência de não poder desfrutar o prazer dos fatos inéditos e a emoção da morte inesperada.

Como já foi dito, em seus momentos finais, Kagura acaba por ajudar semi-intencionalmente InuYasha e cia. Sua traição já era do conhecimento de Naraku e já reinava o clima de apreensão e da retaliação iminente. Finalmente ocorre o derradeiro encontro entre o criador e a criatura. Naraku diz que lhe dará seu coração e a liberdade que tanto almeja. Kagura mantém-se apreensiva e desconfia das intenções do progenitor, mas este, como dissera, devolve o coração da feticeira e, consequentemente, restitui-lhe a liberdade.

Mal teve tempo, porém, de usufruir do seu ansiado “kokoro”¹. Imediatamente após a restituição, Naraku a fere gravemente, perfurando-a com suas presas e espalhando pelo seu corpo um miasma mortal. A feiticeira foge da presença de seu algoz e este, em sua cabeça, reproduzia os seguintes pensamentos:

“Agora vá para onde quiser.
Aproveite bastante o curto tempo de vida que lhe resta.
Apesar de que, tudo que sentirá será dor e desespero.
Kagura, essa era a liberdade que você almejava”.

Poucos minutos depois, distante dali, num pacífico e remoto campo florido, a Kaze Tsukai lutava para não perder a consciência e sucumbir, nutrindo, ainda, a esperança de sobreviver:

“Eu posso me recuperar dessas feridas em uma dia…”

Ofegante e com um leve sorriso no rosto abatido, expressa seu contentamento:

“Meu coração está batendo…
Eu posso ir para qualquer lugar.
Eu sou livre”.
*

Mas momentos depois, ela finalmente se dá conta de que não sobreviverá:

“Droga!
Meu corpo não me obedece…
Minhas feridas vão se abrir novamente.
Eu não tenho poder sobrando para me curar”.

Longe dali, Sesshoumaru, o mesmo que diversas vezes havia negado ajuda à feiticeira, sente o cheiro de seu sangue, enquanto lutava contra Moryomaru. Seu adversário também se dá conta da iminente morte de Kagura, e profere as seguintes palavras:

“Aquela mulher estúpida está morrendo?
Depois de trair o Naraku e me trair por uma coisa tão trivial chamada liberdade…
Ela morreu daquele jeito patético.
Uma morte totalmente em vão”.
*

Sesshoumaru inflama-se, denotando, pela primeira vez, sentimentos em relação a mulher e, diante do comentário de seu adversário, ataca-o com toda força, não matando-o, mas o fazendo recuar. O “dai-youkai” vai, então, ao encontro da Kaze Tsukai. Antes de sua chegada, Kagura experimentava, pela primeira vez, um sentimento de auto-piedade e tristeza maiores do que os que decorriam de seu anseio pela liberdade:

“Está tão quieto…
Não tem ninguém.
Eu vou acabar aqui?
Sozinha…
Essa é a liberdade que eu almejei…”


Lá chegando, Sesshoumaru é recebido com uma expressão de surpresa pela moribunda. O diálogo é reproduzido logo abaixo:

[Kagura]

Sesshoumaru…

[Sesshoumaru]

Eu segui o cheiro do sangue e do miasma…

[Kagura]

Entendo, você pensou que era o Naraku.
Está desapontado de não ter sido o Naraku?

[Sesshoumaru]

Eu sabia que era você.

[Kagura]

Mesmo sabendo…
você veio?

[Sesshoumaru]

A Tenseiga² não pode salvá-la. (Pensamento)
Você está indo?

[Kagura]

Sim…
Já está bom.
No fim…
Eu pude te ver.

Kagura, com um sereno sorriso no rosto, é consumida pelo miasma e se esvai em pétalas e plumas, em frente a Sesshoumaru, que não demonstrava, ao menos facialmente, qualquer alteração sentimental. Neste momento, InuYasha, Kagome e os outros chegam ao local, também atraídos pelo cheiro de Kagura, com a intenção de salvá-la. Tarde demais. InuYasha, ainda, interroga, Sesshoumaru:

[InuYasha]

Espere, Sesshoumaru!

[Kagome]

InuYasha…

[InuYasha]

A Kagura!
Ela estava sofrendo?

[Sesshoumaru]

Ela estava sorrindo.

Alguns episódios adiante, sua irmã, Kanna, encontra seu leque no mesmo campo florido em que morreu e, com sua voz fria, triste e submissa, profere, antes de entregar o objeto ao lago, as seguintes palavras:

“Kagura, você se tornou o vento?
Você conseguiu sua liberdade?
Eu…
Eu não…
Eu não tenho nada…”

***

As últimas palavras de Kagura, a Kaze Tsukai:

“Eu sou o vento. Eu sou o livre vento”.


¹ Kokoro: Coração
² Tenseiga: Katana dada a Sesshoumaru por seu falecido pai,
Inu no Taishou, que tem a capacidade de ressuscitar os mortos.

***