Cyndi

19 jul


Década de 80, época das cores fortes, das calças de cintura alta e dos últimos resquícios da terrível guerra fria. Época de estrelas da música como David Bowie, Bruce Springsteen, o falecido Michael Jackson, Whitney Houston e, por que não, Kylie Minogue (pois é, gente). Filmes como Karatê Kid, Curtindo a Vida Adoidado e O Feitiço de Áquila, lançaram atores como Ralph Macchio, Matthew Broderick, Michelle Pfeiffer, entre outros. E foi justamente nesse período que desabrochou Cynthia Ann Stephanie Lauper Thornton, mais conhecida apenas como Cyndi Lauper.

Pra ser sincero eu não vivenciei esse tempo. Nasci junto com a década de 90, quando as cinturas na boca do estômago já estavam saindo de moda e o muro de Berlim já fazia um ano de derrubado. Porém, conviver com irmãos mais velhos que nasceram nos anos de 79 e 82, involuntariamente me levaram a ouvir (de bom grado) a queridinha dos adolescentes da década anterior, com suas madeixas de cores fortes e chamativas, penteados malucos, roupas fora dos padrões, acessórios aos montes, e maquiagem nada convencional. Obviamente, não poderia deixar de falar do principal, sua voz e suas canções. Misturando seu timbre agudo e forte com um estilo musical que era ao mesmo tempo pop, rock, dance e new wave, Cyndi logo conseguiu emplacar suas músicas nas paradas de sucesso mundiais.

Lembro-me que a primeira vez que ouvi a Lauper, eu devia ter em torno de 5 anos de idade. Foi quando, numa viagem a Feira de Santana (a segunda maior cidade da Bahia), meus irmãos compraram o vinil de Twelve Deadly Cyns… and Then Some, de 1994. A capa de cor vermelha em tom vinho, em contraste com os louros e radiantes fios da cabeleira de Cyndi, logo me chamou a atenção. Antes disso, havia a visto uma ou duas vezes na péssima recepção de imagem da MTV.  É tão gostoso e ao mesmo tempo tão nostálgico lembrar-me duma época em que mesmo não sabendo falar uma palavra do inglês, além dos clássicos “I Love You” e “Goodbye”, cantávamos de qualquer jeito, dançávamos e, principalmente, nos divertíamos ao som de Girls Just Wanna Have Fun, She Bop e Time After Time.

Durante longos anos, após a chegada dos modernos CD e DVD players, os nossos discos de vinil, dentre os quais se incluía o da Cyndi, ficaram guardados, acumulando poeira em uma de nossas caixas, tão logo nosso querido toca discos quebrou irreversivelmente. O mercado da música foi lançando massivamente novos nomes, grandes sucessos, topos da Billboard, e os cantores antigos foram ficando para trás. Alguns poucos, como o já citado Michael Jackson e Madonna, conservaram a fama ao inovarem a cada novo lançamento. A Cyndi continuou sua produção musical, mas não com o mesmo sucesso de outrora, apenas conservando os antigos fãs, que a essa altura já são pais e mães, e ganhando uns novos, dia após dia.

Porém, vasculhando em meio ao tédio das férias recém-chegadas qualquer coisa que pudesse me proporcionar um pouco de diversão, achei o clipe de Girls Just Wanna Have Fun, um dos maiores sucessos da Cindy, datado de 1983, e ver novamente aquele rostinho jovem e alegre fazendo caras e bocas, dançando e cantando, fez com que eu me lembrasse da velha infância (pois é, eu já tenho 19 anos) e sentir saudades duma época que, de fato, eu nunca vivi.

Decidi, então, procurar o mesmo álbum que havia ouvido anos atrás (Twelve Deadly Cyns… and Then Some), baixá-lo e me divertir como antigamente. Depois duma árdua busca, achei-o, baixei-o e hoje, dominando fluentemente a língua inglesa, ouvi todas as canções que tinha ouvido quando era um jovem garoto inocente de 5 anos de idade. No momento em que as ouvi, me ocorreram um turbilhão de sentimentos, prazer, tristeza, nostalgia, alegria, felicidade e também saudade duma época que não volta mais, das danças que, por conveniência, não nos é mais permitido fazer, com uma irmã já casada e que mora longe e com irmãos que hoje nem ouvem mais a Cyndi.

Mas ao mesmo tempo, por fim, ouvir novamente essas músicas me fez pensar que de fato se deve aproveitar ao máximo cada momento vivido. Resumindo, “carpe diem”, colha o dia, como se fosse um fruto maduro que amanhã estará podre. Não economize vida. Usufrua dela agora, com intensidade. Garanto-lhe que não haverá arrependimento. Pois até a própria Cyndi, mesmo depois de todos esses anos (não conto a atual idade dela porque é extremamente indelicado revelar os anos duma mulher), ainda continua aproveitando a vida, se divertindo (ou seja, “having fun”).

Se, durante todo esse meu falatório, alguém se sentiu tentado a conhecer a Cyndi (pois por mais estranho que isso possa parecer, há realmente quem não a conhece), eu disponibilizo abaixo links de alguns sites utéis.

Site Oficial . Site Oficial Brasileiro . Biografia (Inglês) . Biografia (Português) . Downloads #1 . Downloads #2


Bom Proveito!

Anúncios

Uma resposta to “Cyndi”

  1. Francorebel 21 de julho de 2010 às 16:09 #

    Poxa, eu tava preparando um comentário enorme, mas deu erro e ele não foi. Mas tudo bem, eu estava falando que tenho a Cyndi como uma das minhas grandes referências artísticas e que ela me inspira no meu blog:

    http://francorebel.blogspot.com/2010/03/mudanca-de-coracao-1de-3.html

    http://francorebel.blogspot.com/2010/07/multipost-3.html

    Tenho o dvd de “Twelve Deadly Cyns… and Then Some”, que contém os melhores clipes dela… simplesmente genial, inclusive nas declarações inteligentíssimas, uma artista de verdade!

    Gostei do seu post, principalmente por articular a sua vida pessoal com a obra da Cyndi, localizando-a no panorama pop dos annos 80… demais!

    Volte sempre, que eu voltarei aqui com certeza!

    Abração!

    Francorebel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: